20 anos de Cowboy Bebop: A maestria da história dos caçadores de recompensas do espaço.

Em 1998 era lançado no Japão o anime Cowboy Bebop, dirigido por Shinichiro Watanabe, o anime é a adaptação do mangá de mesmo nome escrito por Hajime Yatate e ilustrado por Cain Kuga. Em 2018 o anime comemora 20 anos de seu lançamento, para celebrar trouxemos uma matéria apontando os principais tópicos do anime, então vamos lá Cowboys e Cowgirls!

Os anos 90 definitivamente foram os melhores para as produções de animes, encontramos clássicos que nasceram na década de 1990 e fazem um tremendo sucesso ainda hoje, e também encontramos aqueles que mesmo com mais de 20 anos de existência ainda são desconhecidos para o grande público. Cowboy Bebop é um anime que envolve comédia, ação, aventuras, crimes, gangsters, tudo isso no ano de 2071 no espaço. O anime conta a história do grupo de caçadores de recompensa que a bordo da nave espacial Bebop onde vivem suas aventuras na vasta imensidão do universo, sua tripulação é composta por Spike Spigel, Jet Black, Faye Valentine e Edward Wong Hau Pepelu Tivrusky IV – ou simplesmente Ed.

da esquerda para a direita Spike, Faye, Jet e Ed.

Bebop é um anime atemporal, este com suas constantes referências apresenta literalmente um universo desconhecido, para muitos, na música, no cinema, na literatura, enfim, tudo isso ao longo dos seus 26 episódios. Começando pelo próprio nome do anime onde este é a junção de referências aos filmes de faroeste dos Estados Unidos da América e ao estilo musical dentro do Jazz chamado de Bebop. Também as constantes alusões aos filmes com temática nas artes marciais, principalmente aos filmes de Bruce Lee, onde o personagem principal por diversas vezes sai a caça de criminosos que levam o nome de personagens das obras do Bruce Lee ou utiliza dos movimentos de luta baseados no próprio Bruce Lee. Encontramos influencias em mangás clássicos como Lupin 3º, principalmente na construção dos personagens. Outras obras ainda podem ser encontradas como referências ao longo dos episódios de Bebop como, 2001: Uma Odisseia no espaço, O Corvo, Shaft, Alien, Star Trek, até mesmo referências diretas ao diretor Jean-Luc Godard, e o quadrinho do Alan Moore – V de Vingança. Mas, nenhuma influência é tão grande em Cowboy Bebop quanto a musical. Bebop é um anime consagrado e premiado, e muitas das suas premiações e elogios são principalmente a sua trilha sonora, o Jazz tocado ao longo dos 26 episódios é a maravilhosa melodia humana da tragédia. A cada soar de uma nota da gaita, do sax, do trombone, trompete, baixo e guitarra você se anestesia sonoramente com algo único, que somente Bebop pode lhe proporcionar, e não só as músicas do anime são boas como também encontramos referencias de clássicos do Rock, Blues, Jazz, Funk, Samba no título de cada episódio, como por exemplo: Honky Tonk Women – Rolling Stone; Ballad of Fallen Angels – onde é feita referência a duas músicas num único título Ballad of Fallen Angels – Aerosmith e Fallen Angels – Poison; Bohemian Rhapsody – Queen; Hard Luck Woman – Kiss, enfim, referências boas e de qualidade é o que Cowboy Bebop lhe oferece.

O anime além das vastas referências conta com uma capacidade técnica de dar inveja a qualquer produção de outras esferas ligadas ao audiovisual, o anime apresenta constantemente planos de imagens que são verdadeiras obras de arte expressionista e/ou surrealistas. A variação de cores junto com a música certa dá a obra o tom necessário para o seu desenhar, além de contar com um roteiro filosoficamente reflexivo que a todo momento questiona o “eu” perante o “nós”. Cowboy Bebop questiona o tédio, o existencialismo e principalmente a solidão, e tal questionamento é de um brilhantismo metafórico único, o anime se passa rompendo as barreiras do universo, a humanidade conquistou e se espalhou pelo espaço, colonizando cada local assim que possível, porém o crescimento da humanidade não quer dizer nada no sentido de “nós”, pois você pode ter conquistado o universo, mas ainda assim estará sendo o “eu “ sozinho. O anime está em consonância com o Jazz a todo momento, seja pelos momentos que a Faye Valentine ou o Spike estão tomando seu whisky num bar lotado, o bar pode estar lotado, mas eles estão ali sozinhos, ou a Ed, no meio de catadores onde corriqueiramente trabalham diariamente juntos, mas ela está sozinha, isso é o Jazz de Bebop um ritmo que consegue exprimir isso em sua totalidade sentimentalmente solitária.

A trama ainda possui muito para lhe ensinar, então se você tem algum preconceito em não querer assistir, desconstrua ele! Assista Cowboy Bebop, e vá além dos animes, leia o mangá e assista o filme, pois ele tem muito a lhe ensinar nos múltiplos sentimentos que ele pode lhe provocar. Então é isso, See You Space Cowboy!

Comentários